bau

 

Visito com frequência uma cidade da Serra da Mantiqueira, pela natureza, pela beleza e pelas boas opções culinárias. E, de tanto ir lá, já tenho meu roteiro dileto: sábado no restaurante do Fernando, domingo, no do Francesco (ou vice-versa). O que importa é ir aos dois. Já levamos e indicamos a amigos e é consenso que escolher entre um ou outro é quase inviável. 

Mas esse post não é exatamente sobre escolhas gastronômicas, e sim sobre o que ousei resumir em 3 E's: empreendedorismo, escolhas e essência. Explico contando mais sobre esses dois personagens.

Fernando é um super empreendedor. Começou seu negócio vendendo mudas de frutas vermelhas, passou a plantar uvas para fazer vinho em pequena escala, montou quatro mesas para servir almoço aos fins de semana, aumentou o número de mesas, passou a plantar lúpulo para uma cervejaria importante da região, aumentou a produção do vinho, sem perder de vista a proposta de ser biodinâmico e natural. Só por essa enumeração, percebe-se sua potência empreendedora. Nessa última visita, havia ainda mais mesas de almoço, restaurante cheio, diversas opções de pratos, servidos sempre com base no conceito de slow food e com o apoio de diversos profissionais de sua equipe. Agora, até hospedagem na propriedade existe. Tudo isso é fruto de muitas escolhas que Rodrigo fez, provavelmente em conjunto com mais pessoas envolvidas no negócio. O fato é que, para quem frequenta, o crescimento do negócio salta aos olhos, sem perder a essência.

Francesco, aos olhos de quem frequenta seu restaurante há alguns bons anos, é o empreendedor familiar, que te recebe como se fosse da família: ele senta à mesa com quem lhe dá essa abertura (e nós damos), conversa, conta história, vai buscar ingrediente no mercado de moto e volta para terminar o prato, canta enquanto cozinha, permite que você use as panelas dele para esquentar a comida do bebê, não se importa de o cliente chegar às 16h para almoçar. Antes de ir para lá, costumamos ligar para pedir o prato predileto, porque o cardápio pode variar, mas tem coisas que queremos sempre iguais, como o filé à marsala. Resumindo: você se sente parte da família, afinal, é a família dele que atende o salão e ele quem faz a comida, bem ao estilo italiano.

E volto dessa viagem reflexiva: às vezes, o empreendedor pode ter o ímpeto de ser Fernando ou Francesco, ou um Francesco olhar para um Fernando e não se achar tão bem sucedido; ou um Fernando invejar a leveza do Francesco. Mas, mais do que ímpetos e julgamentos de valor, que nada agregam ao empreender em si, é preciso ter consciência das escolhas e como estas são fruto de história de vida, valores, personalidade, propósito, essência. Cada um, a seu modo, mantém sua essência, faz suas escolhas e empreende.

Os turistas agradecem a diversidade e, a turista aqui, sempre volta de lá com reflexões como essa, além de algumas boas calorias para queimar ao longo da semana.


empreendedorismo3 E'sescolhasessênciacarreiralifelong learninglifelong learnerempreendedorvocêrelaçõesvrs academyvrs cursosvivian rio stellaserra da mantiqueira